Quais são as principais habilidades do recrutador de elite? Confira neste artigo!

Realizar o recrutamento de profissionais de qualquer área não é tarefa fácil. Para quem trabalha no mercado de TI o desafio é ainda maior pela quantidade de vagas disponíveis e a falta de candidatos para preenchê-las. Para garantir que as contratações sejam mais assertivas entra em cena o recrutador de elite, profissional diferenciado capaz de enxergar além do caráter técnico da coisa.

Por mais que o assunto seja tecnologia, o recrutador de elite é treinado para levar em consideração aspectos da contratação tão importantes quanto as habilidades técnicas do candidato como personalidade, relacionamento, identificações com a cultura organizacional da empresa, etc.

Preciso ser formado na área de TI para trabalhar como recrutador de elite?

Não é necessário que o recrutador de elite tenha qualquer formação nas áreas correlatas da tecnologia da informação, mas é fundamental que ele conheça as principais características do mercado e, principalmente, o escopo da vaga, ou seja, saber “falar a língua” dos desenvolvedores é o grande diferencial desse recrutador.

E isso vai muito além de entender o que determinado código de programação faz ou para que serve a linguagem Python, por exemplo. O recrutador de elite em TI é alguém que sabe o que os candidatos estão procurando profissionalmente, quais seus interesses fora do trabalho, quais suas metas a curto e longo prazo, entre outras características.

Da mesma forma que a empresa busca profissionais alinhados com seu fit cultural, os candidatos também estão em busca de organizações com os mesmos valores que os seus. Por isso é tão importante que o recrutador de elite seja uma espécie de “porta voz” da empresa no sentido de transmitir sua verdadeira essência.5 habilidades que devem fazer parte do perfil do recrutador de elite

Relacionamento. Essa é a palavra de ordem do recrutador de elite: através dele é possível compreender melhor o perfil do candidato ideal, desenvolver processos seletivos que estejam de acordo com as demandas dos profissionais e colocar em prática a retenção de talentos logo no início do recrutamento. Foto: Unsplash

1) Networking constante

A prospecção de candidatos não acontece apenas quando o processo seletivo é aberto na empresa. Nesse sentido, uma das principais funções do recrutador de elite é manter o networking sempre funcionando não apenas com candidatos em potencial, mas também com outros profissionais de TI para ficar por dentro das principais demandas da área.

Isso pode facilmente ser feito através das redes sociais, principalmente nas plataformas mais utilizadas por quem é da área. Além de conhecer os principais interesses de quem trabalha com TI, o recrutador de elite consegue uma informação valiosa ao estar sempre em contato com esses profissionais: suas “dores”, isto é, os maiores problemas que enfrentam no mercado.

Compreender o que tem de errado e quais aspectos os candidatos gostariam de melhorar (seja no recrutamento ou no próprio convívio empresarial) é o primeiro passo para desenvolver estratégias reais capazes de fazer a diferença.

2) Atenção para o escopo da vaga

Como contratar o profissional ideal se você nem sabe quais as habilidades necessárias para cumprir o trabalho?

Por mais que a função do recrutador de elite seja muito mais do que analisar o aspecto técnico do candidato, não podemos deixar de lembrar que as competências profissionais fazem parte da “nota de corte” ao decidir quem passa ou não de fase.

Se a empresa busca um desenvolvedor de games não faz sentido contratar um dev de sistemas operacionais, por exemplo. 

Caso o recrutador de elite não seja da área de TI algumas ferramentas como o GlossaryTech auxiliam a traduzir termos utilizados em programação para facilitar o entendimento, fazendo com a entrevista seja mais uma conversa natural com o candidato sobre suas habilidades ao invés de um interrogatório com respostas de “sim” ou “não”.

3) Nada de viés seletivo

O viés seletivo é a atitude inconsciente de favorecer ou desfavorecer candidatos por conta de suas preferências pessoais, habilidades profissionais, instituição onde estudou, background social, entre outras características como gênero, idade, preferência sexual e raça.

O recrutador de elite sabe que o viés seletivo prejudica diretamente os processos seletivos por não favorecer a diversidade e a inclusão nas empresas, especialmente em uma área majoritariamente composta por homens brancos vindos da classe média.

4) Além do salário, o que mais o candidato quer? 

Quem trabalha com TI recebe um dos melhores salários do mercado, não apelas pela complexidade e importância da atividade que exerce, mas também pela falta de profissionais qualificados disponíveis – as empresas que encontram o candidato ideal devem garantir que esse talento continue no time, como você verá mais adiante. 

Mas além do salário, os profissionais da atualidade buscam mais qualidade de vida dentro e fora do mundo empresarial. Descobrir quais são essas necessidades deve fazer parte do radar do recrutador de elite para que a empresa possa elaborar um plano de benefícios de acordo com as necessidades de seus profissionais. 

Para se ter uma ideia, muitos desenvolvedores preferem ter mais flexibilidade de horários ou até mesmo trabalhar de casa ao invés de cumprir horário presencialmente, por exemplo. Ter esse conhecimento é importante para garantir que as expectativas do candidato sejam atendidas. 

5) Eficiência na retenção de talentos 

Como todo trabalho para encontrar o melhor profissional não é feito à toa, outra característica importante da rotina do recrutador de elite é participar ativamente da retenção de talentos. 

Para que isso seja feito, o relacionamento com o candidato não pode terminar no momento da contratação, pelo contrário, deve ser mantido constantemente. 

Dessa forma, o recrutador de elite é peça fundamental de um RH que quer se manter participativo e atento para qualquer demanda que possa surgir ao longo da passagem do profissional pela empresa. 

3 dicas para ter mais assertividade no recrutamento

Agora que você já conhece as principais características que devem fazer parte do perfil do recrutador de elite confira essas três dicas para ter mais assertividade nas contratações:

1) Planejamento 

O planejamento é o melhor amigo do recrutador de elite. 

Desde a criação da vaga até a finalização do processo seletivo com testes práticos e entrevista, o recrutador deve seguir seu próprio cronograma para ter mais eficiência no recrutamento e na contratação de modo geral. 

Além disso, é importante alinhar as expectativas com todos os envolvidos – gestores e candidatos – para que ninguém saia prejudicado ou decepcionado com a seleção, especialmente o candidato. 

2) Priorize o potencial do candidato 

O potencial do candidato deve ter prioridade ao invés de seu tempo de mercado. 

Não abra mão de um talento só por ele ser alguém jovem e inexperiente. Lembre-se que é cada vez mais fácil ensinar novos conceitos e desenvolver habilidades, especialmente se a intenção da empresa for manter esse profissional a longo prazo. 

3) Trabalhe com dados 

Além de reduzir a subjetividade do processo seletivo, a análise de dados é mais assertiva e evita o viés na escolha da contratação. 

Quanto mais informações a empresa tiver sobre a realidade do mercado, o que os candidatos procuram no emprego ideal, como deve ser o ambiente empresarial, entre outras características, mais fácil é o trabalho do recrutador de elite para realizar um recrutamento de sucesso. 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe o texto em suas redes sociais e ajude mais pessoas a descobrirem a Parças, iniciativa independente para quem quer mais inclusão no mercado de TI!