5 erros mais comuns em processos de contratação em TI

Cometer erros em processos de recrutamento e seleção de profissionais de TI é algo comum em muitas empresas, mas que pode (e deve!) ser evitado. Neste artigo você vai conhecer os 5 erros mais comuns em processos de contratação em TI e aprender como evitá-los para obter um melhor aproveitando dos profissionais durante o recrutamento. 

Esse é um tema importante porque estamos falando de uma reação em cadeia: cometer erros de contratação em TI impacta diretamente no trabalho desses profissionais e, consequentemente, no desempenho da empresa. 

Quer um exemplo? Você provavelmente já se deparou com alguma vaga de emprego com dezenas de pré-requisitos que te fez pensar “quem é o profissional que dá conta de tudo isso?”. 

Pois é, a maioria das empresas apresenta o escopo da vaga de forma extremamente técnica, sem se preocupar com o profissional que vai exercer aquela função no dia a dia. Por isso, vamos te dar dicas de como melhorar seu recrutamento em TI e se você procura oportunidades na área agora é hora de saber como evitar vagas que só exigem, mas não sabem mostrar o outro lado da moeda. 

5 erros mais comuns em processos de contratação em TI 

Erro #1 – Focar apenas na parte técnica do trabalho 

Veja a seguinte situação: 

Empresa X procura desenvolvedor pleno para integrar time de tecnologia. Contratação imediata. Salário a combinar. Pré-requisitos da vaga: 

– Linguagens de programação Java (J2SE e J2EE), HTML, JavaScript, jQuery, Servlets, JSP e Annotation 

– Domínio de sistemas operacionais Windows e Linux 

– Banco de dados Oracle, SQL Server e MYSQL

– Domínio de softwares e ferramentas de desenvolvimento como Microsoft Office, Microsoft Visio, Microsoft Project, SQL Developer (Oracle), MYSQL Query Browser, entre outros 

– Desenvolvimento de websites (Front-end e Back-end) e ferramentas para web, desktops e aplicativos

– Inglês fluente 

Você gostaria de trabalhar numa empresa assim? 

Perceba que mesmo apresentando os requisitos técnicos esperados, a vaga não oferece informações relevantes para o profissional, como quais os diferenciais da vaga, o que a empresa oferece além do salário, como é a vivência na empresa, como será a rotina do profissional que ocupará o cargo, etc. 

É importante deixar claro o que a empresa espera do profissional, mas a vaga não será nem um pouco atrativa se não oferecer mais do que o básico. 

Para não cometer esse erro durante a contratação em TI o ideal é apresentar ao candidato por que ele precisa trabalhar na sua empresa. A narrativa aqui deve ser outra: ao invés de apenas buscar profissionais qualificados, por que não fazer com que esses profissionais queiram muito trabalhar com você? 

Essa forma de abordagem torna a vaga mais disputada e, com isso, a chance de ter ótimos profissionais querendo fazer parte do time de TI da sua empresa é maior. 

Erro #2 – Desconsiderar candidatos sem perfil ativo no LinkedIn 

Seja para encontrar bons profissionais ou para apresentar sua empresa para o mercado, é fato que o LinkedIn é a principal rede social de negócios da atualidade.

Ter um perfil ativo é fundamental para atrair bons recrutadores, mas isso não significa que você deva ignorar candidatos que não utilizem essa ferramenta. 

De certa forma, a maioria das redes sociais servem de entretenimento ou como forma de comunicação entre os usuários, como Facebook, Instagram e WhatsApp, por exemplo. O LinkedIn quebra essa lógica ao ser uma espécie de currículo virtual do usuário, ou seja, existe um “código de conduta” a ser seguido. 

Por exemplo: ninguém posta no LinkedIn fotos com os amigos no bar porque isso é antiético e não é o tipo de “imagem” que você quer dar aos recrutadores. 

Por ser uma rede social utilizada principalmente para o trabalho, nem todo mundo tem disposição ou interesse de gerar conteúdo de qualidade para manter a página ativa. Isso faz do candidato um péssimo profissional? Claro que não! 

Se você se deparar com algum candidato que não tenha perfil ativo no LinkedIn, aqui vão algumas dicas para saber se esse profissional é a escolha certa para sua empresa: 

  • Encontre outras formas de conhecer o trabalho do candidato 

O currículo tradicional é apenas um documento formal com informações básicas sobre a formação e experiência do candidato.

Peça portfólios com trabalhos anteriores ou até mesmo projetos pessoais desenvolvidos pelo candidato. Você pode se surpreender!

  • Analise outras redes sociais do candidato 

O LinkedIn não é a única rede social utilizada para divulgar trabalhos. 

Muita gente ainda utiliza o Facebook como principal ferramenta de comunicação, entretenimento e como plataforma para contar ao mundo o que está acontecendo. 

Facebook e Instagram podem ser redes sociais mais informais, mas é possível encontrar muita coisa legal por lá!

Além disso, fique de olho em perfis do Medium, Twitter, Tumblr e outros sites utilizados pelos candidatos. 

Erro #3 – Procurar apenas por profissionais plenos

Dar oportunidades para candidatos inexperientes é a chance de moldá-lo conforme as necessidades da empresa e ter a oportunidade de reter esse talento futuramente. Foto: Nappy

Outro erro comum em contratação de TI é abrir vagas apenas para profissionais mais experientes (nível pleno e sênior), sem considerar o trabalho que será exercido na empresa. 

Se estamos falando de funções mais simples como controle de estoque e desenvolvimento de funcionalidades para e-commerce, por exemplo, então não existe a necessidade de contratar um profissional com anos de experiência. 

Inclusive, esse é um erro que empresas de diversas áreas cometem: não dar oportunidade para candidatos júnior. 

O candidato que acabou de sair da faculdade e ainda não possui experiência pode não ter a mesma facilidade e agilidade que um profissional de TI com seis anos de trabalho, mas isso não significa que ele não pode contribuir para o desenvolvimento da empresa. 

Apostar no candidato inexperiente pode ser positivo pelo lado financeiro (já que o salário é menor em comparação com o de profissionais com anos de carreira), mas também é a chance que a empresa tem de moldar o profissional de acordo com as necessidades do próprio negócio, aumentando as chances de reter esse talento no futuro. 

Erro #4 – Recrutadores que não entendem de tecnologia 

Pode até parecer óbvio, mas o recrutamento em TI deve ser feito por profissionais que entendem do que estão fazendo. 

No caso de grandes empresas, o RH é responsável por realizar as contratações, e nem sempre os recrutadores são da área de tecnologia. E é aí que mora o problema. 

Como selecionar o profissional certo sem conhecer as especificidades do trabalho envolvido em tecnologia da informação? 

Até mesmo o básico de TI é complicado para quem não é da área. O recrutador vai se deparar com informações como essas: 

– Front-end e Back-end

– UX, UI, SQL, Oracle e HTML5

– (J2SE e J2EE), HTML, JavaScript, jQuery, Servlets, JSP e Annotation 

Primeiro, é preciso garantir que a equipe responsável pela seleção entenda o que esses termos significam. E isso é só o básico!

Para não cometer esse erro de contratação em TI tenha recrutadores que sejam da área, isso diminui as chances de contratar um profissional que não tem nada a ver com o que você está procurando. 

Erro #5 – Recrutamento baseado em viés pessoal 

Por último, mas não menos importante: o recrutamento deve ser um processo neutro, sem levar em consideração opiniões pessoais do recrutador ou informações pessoais do candidato. 

Na prática, funciona da seguinte maneira: o recrutador favorece candidatos que tenham estudado em grandes universidades e que sigam a mesma linha de pensamento que ele mesmo. 

Não deveria ser assim, mas esse erro de contratação em TI acontece em muitas empresas. 

E se sua empresa for majoritariamente composta por pessoas brancas com o mesmo background social, então essa tendência será refletida no recrutamento de novos profissionais. 

Para que isso não aconteça é necessário – e até urgente – ter um time diverso composto por profissionais de diferentes culturas e realidades sociais distintas. 

Por isso, tenha vagas destinadas a mulheres, pessoas não brancas, PCDs, LGBTQIA+ e outros grupos tradicionalmente marginalizados pela sociedade e, consequentemente, pelo mercado de trabalho. 

Vamos praticar? 

Ter uma equipe diversificada é fundamental para garantir processos seletivos mais neutros e justos. Foto: Nappy

No próximo processo seletivo da sua empresa, fique atento para essas dicas e evite erros na contratação de TI!

Quer ter profissionais diferenciados na sua empresa? Clique aqui e descubra o que podemos fazer pelo seu negócio.